Incentivar os portugueses a votar – Combater o abstencionismo

Caríssimos portugueses:

Tendo-se iniciado a campanha eleitoral para as legislativas de 6/10, verifico inúmeros sintomas de que os portugueses preguiçosos e incívicos se preparam para se abster de votar, a pretexto de que “são todos iguais”, “não vale a pena”, etc, etc. Ora, os 70% de abstenções verificados nas recentes eleições Europeias, não pode voltar a repetir-se, pois isso seria uma enorme vergonha para a Democracia Portuguesa e iria deteriorar ou mesmo falsear as eleições.
Com efeito, tal falta de civismo resulta de inúmeras falhas dos que se dizem democratas, que não cumprem o que prometem, mentem impunemente, enlameiam o Estado de famílias e amigos, trocam favores, com corrupção a todos os níveis, colocam os serviços públicos num caos, a começar no SNS, usufruem de regalias injustificadas (pensões vitalícias, a par de pensões por terem tido emprego público por 10 anos, etc), criam estruturas inúteis só para dar emprego a correlegionários, como é o caso de 200 “Observatórios” que para nada servem, etc, etc, etc.
Assim, desafio-os a, por todos os meios legítimos ao vosso alcance, incentivarem todos a votar, escolhendo quem apresentar melhor programa e provas dadas, de verdade, honestidade e responsabilidade apresentar.
Perante a falta de incremento a votar por parte do governo e de outros órgãos públicos, como a CNE (Comissão Nacional de Eleições), cabe-nos essa tarefa, incluindo o Senhor Presidente da República, que não pode continuar calado.
Abster-se equivale a “passar um cheque em branco” e a deixar que outros decidam por nós, além de ser um ato de cobardia. E votar em branco ou nulo é praticamente igual. Po

 
Ao trabalho amigos! É esse o nosso dever.Cordialmente,Jorge da Paz Rodrigues

Anúncios

Ministério Público: o terror da bandidagem e não só

Face às inúmeras demoras nos processos penais, muitas vezes justificadas pelos atrasos nas cartas rogatórias, onde se pede a colaboração às justiças de outros países (e ainda ontem foi referida a Suíça, que há 3 anos está para responder no caso BES), justo é reconhecer o esforço do Mº Pº.

O texto mais abaixo foi publicado no jornal “I” e redigido por António Cluny, Procurador-geral adjunto, que já presidiu ao Sindicato vários anos, e o que escreveu está razoável, mas esperava melhor, pois “cola-se” demasiado ao atual governo…

Mas sempre que se fala de Mº Pº não podemos deixar de olhar para o seu “topo”, face ao que há poucos meses sucedeu com a substituição da Senhora PGR por outra.

Ora, uma vez que o M.P. representa o Estado nos Tribunais, segundo a Constituição, a discussão começa logo na escolha e nomeação do(a) PGR. Presentemente, o governo escolhe e propõe ao PR, que aceita (ou não) e dá posse ao(à) escolhido(a). Porém, sendo os Tribunais outro órgão de soberania, creio que poderia pelo menos ser ouvido, mas existe outro importante órgão de soberania ignorado, a Assembleia da República, porquê?

 

Sobre este site

IONLINE.SAPO.PT
A proposta do Governo tinha todas as condições para proporcionar uma discussão de qualidade sobre a organização do MP. Parece, pois, injusto terem-na massacrado… violenta e demagogicamente, sem propósito.

Sugestões para quem visitar Portugal

Algumas sugestões de passeios em Portugal, mais ou menos de cor, sem grande rigor, pois não tenho aqui um mapa

 

  1. Lisboa (estacionamento é pago nas máquinas, nas ruas e parques)

Belém (dia inteiro), visitando, junto ao rio Tejo, a Torre de Belém e o monumento aos Descobrimentos; junto ao jardim, o Mosteiro dos Jerónimos, o Museu da Marinha, o Planetário Gulbenkian e o Centro Cultural de Belém; à hora de almoço, rumar para a direita dos Jerónimos, almoçar num dos vários restaurantes e não esquecer de entrar na confeitaria dos famosos ‘Pasteis de Belém’ (muito bons com 1 cafezinho); se ainda houver tempo rumar mais para a direita, onde está o Palácio Presidencial e do outro lado da estátua do Vasco da Gama, visitar o Museu dos Coches.

Parque das Nações (lado oriental de Lisboa), noutro dia, merecendo uma visita e fotos à estação de comboios (trens) do Oriente e principalmente o Aquário (um dos melhores do Mundo). Tem centro comercial, arena e vários divertimentos interessantes para garotos.

Baixa Pombalina (centro de Lisboa), desde a Praça do Comércio (popularmente designada Terreiro do Paço), junto ao rio Tejo, Arco Triunfo, subir pela Rua Augusta (ou outra), com muitas lojas para gastar dinheiro, até ao Rossio, formalmente Praça D. Pedro IV (mais conhecido no Brasil como D. Pedro I), fotografando, pelo menos, a estátua daquele, o Teatro nacional D. Maria II (filha do D. Pedro) e a estação de trens à esquerda deste. Dali subir até ao Chiado e/ou ir até Praça dos Restauradores e porventura subir a Av. da Liberdade.

Sé catedral e castelo de S. Jorge: se houver tempo, nesse dia ou noutro, subir da Baixa Pombalina até à Sé e ao Castelo de S. Jorge.

  1. Óbidos e Nazaré

– Sair de Lisboa pelo Lumiar, descendo para a auto-estrada A8, que vai junto ao mar até ao Porto. Na ida, não parar em Óbidos e seguir direto para a Nazaré, cerca de 80km. Nazaré tem uma bela praia e uma outra ao norte, subindo um pouco, onde está um forte e outra praia, paraíso dos surfistas, onde às vezes se formam ondas com 30 metros! Almoçar sardinhas assadas na brasa na Nazaré (um dos melhores peixes de Portugal).

Da Nazaré voltar outra vez à A8 e em sentido inverso rumar para Óbidos, onde existe um belo castelo, no qual ainda vivem muitas pessoas, com muitas lojas e, principalmente, beber e/ou comprar a famosa ginja de Óbidos.

– Se der tempo, ir de Óbidos até à cidade das Caldas da Rainha (fica a uns 10km para o lado oposto), que tem no centro um belo jardim, no meio do qual está o Museu Malhoa (pintura e escultura), que merece ser visitado. Na cidade existem várias lojas de cerâmica, onde se vende loiça e uns bonecos interessantes, com pila, chamados “caralhos das caldas”, kkkkkk…

Regressar depois a Lisboa pela referida A8.

  1. Sintra e Mafra

Sintra é uma vila rica em palácios, no meio da qual está o palácio real. Importa subir até ao “castelo dos mouros” e, principalmente, logo no monte ao lado, está o “Palácio da Pena”, um espetáculo de mistura de estilos arquitetónicos, a não perder, mandado construir por D. Fernando, marido austríaco da filha mais velha de D. Pedro, a rainha D. Maria II.

Merece também uma visita a Quinta da Regaleira, muito esotérica/maçónica e os Palácios de Monserrate e de Seteais.

– Nesse dia ou noutro, seguir de Sintra para Mafra, onde está um grande palácio e Convento, construído com o ouro do Brasil, que tem também uma grande biblioteca.

  1. Queluz (próximo de Sintra)

– Foi no palácio de Queluz que nasceu e morreu D. Pedro e como verão terá inspirado o palácio de Petropolis. Para além de um rico e variado interior, tem uns belos jardins.

  1. Cascais e Estoril

– Em Cascais merece visita o Forte e a Marina e no centro tem muitos e bons restaurantes e lojas. Mas importante será ir à “Boca do Inferno” e se prosseguirem teem uma bela praia.

– No Estoril, para além da praia, tem um belo Casino, para arriscar jogar e onde se pode jantar e assistir a espetáculos.

  1. Fátima, Batalha, Leiria (e se der tempo Alcobaça)

– Sair de Lisboa pela auto-estrada A1, em direção ao norte e aí a uns 120km sair para Fátima, visitando o santuário, onde está a primitiva capelinha e ao lado a árvore (azinheira), onde Nossa Senhora apareceu aos pastorinhos, que estão sepultados na catedral mais antiga. No lado oposto está a mais moderna.

– Depois rumar à Batalha, onde existe um mosteiro de rica arquitetura, tipo Notre Dame de Paris.

– Da Batalha seguir para Leiria, que tem um dos mais bonitos castelos e dali, se der tempo, ir a Alcobaça, onde está um dos mais antigos e enormes conventos.

  1. Setúbal, Arrábida e Sesimbra

– Atravessar o rio Tejo pela Ponte 25 de Abril e sair cerca de 40km depois em Setúbal, visitar o centro, o Largo Bocage, onde está a Sé e a Câmara Municipal e aproveitar para almoçar num dos restaurantes, onde se come bom peixe, sendo a especialidade o choco.

– Sair por um dos extremos e rumar à Serra da Arrábida, por uma estrada sinuosa, com várias e ótimas praias e vale a pena subir ao Convento, que tem uma vista espantosa para a Península de Troia (no verão às vezes cortam a circulação num dos sentidos).

– Dali regressar por Sesimbra, que tem também um castelo e uma bonita praia.

  1. Évora, Elvas, Badajoz (e se quiserem prosseguir até..)

– Sair de Lisboa por uma das pontes sobre o Tejo, apanhar a auto-estrada A2 para Évora, onde podem e devem visitar: a Praça do Giraldo (mesmo no centro), na ponta oposta ao chafariz, descendo um pouco, está um templo, onde se sitia a célebre ‘Capela dos ossos’ (“nós que aqui estamos pelos vossos esperamos”), incrivelmente quase toda feita de ossos humanos (um espetáculo) e dali subir até ao templo romano de Diana.

– Daí retomar a auto-estrada e parar junto à fronteira com Espanha, em Elvas, cidade bonita, cujo forte, no centro, merece um visita e comam umas ameixas, que ali são uma delícia.

– Se atravessarem a fronteira, entram em Badajoz, cidade espanhola muito comercial.

– De Badajoz, retomando a auto-estrada que vem de Portugal, podem regressar a Lisboa ou seguir para Madrid, que fica mais ou menos a 500km dali.

  1. Tomar e castelo de Almourol

– Sair de Lisboa pela A1 e a cerca de 100 km para norte, apanhar a saída para a A23 (Torres Novas, Tomar etc).

– Após uns 30kms na A23, sair para o castelo de Almourol, que fica no meio do rio e é um espetáculo da arquitetura militar medieval.

– Dali retomar a auto-estrada e prosseguir para Tomar, cidade atravessada pelo rio Nabão e que é toda ela bonita. É a cidade-sede da Ordem Templária, depois renomeada Ordem de Cristo. Talvez ainda lá apanhem a ‘Festa dos Tabuleiros’, em honra do Espírito Santo. Imprescindível visitar o Castelo e o Convento de Cristo, no seu interior, uma maravilha da arquitetura medieval.

  1. Algarve – principais cidades: Faro, Portimão, Lagos, Olhão, Tavira e Vila Real Stº António

– Sair de Lisboa por uma das pontes e apanha a auto-estrada A2 para o sul, a qual vai até junto de Faro, onde podem decidir ir para a direita (Portimão, Lagos, Sagres) ou para a esquerda (Olhão, Tavira, Vila Real de Stº António.

– Quer Portimão, quer Lagos, teem belas praias e muito bom peixe para comer, mas de Lagos sigam até Sagres, onde está uma enorme fortaleza onde funcionou a primitiva escola náutica e formou os primeiros  navegantes (descobridores).

– Faro tem no centro o castelo, bem como um belo porto/marina e nas lojas ótimos doces. Olhão fica a poucos km e é uma cidade psicatória.

– Seguir dali para Tavira, que tem uma ponte romana e castelo e belas praias nas imediações. E de Tavira rumar para a fronteira, parando em Vila Real Stº António (vila do tempo do Marquês de Pombal, bem atquitetada) e junto a bela praia de Monte Gordo. Se atravessarem o rio Guadiana (de barco ou pela ponte), entram numa cidade espanhola interessante, que também tem uma bela praia.

  1. Coimbra e Aveiro

– Quando decidirem ir ao norte (Porto), pela A1, andem cerca de 200km e visitem Coimbra, principalmente a Cidade Universitária (não percam a parte velha, a sua rica biblioteca, a capela e a sala dos capelos, onde são homenageados os doutores). Se quiserem ir à parte central, visitem a Sé velha e a Igreja de Stª Cruz onde está sepultado D. Afonso Henriques (o rei fundador).

– De Coimbra retomem a A1 e saiam uns 50km acima em Aveiro, cuja ria serpenteia dentro da cidade, fazendo dela uma pequena Veneza, justificando-se andarem num barco moliceiro, pois vale a pena o passeio.

– De Aveiro rumem mais para norte, ao Porto, passando por Gaia.

  1. Porto e rio Douro, até Peso da Régua e Lamego

– O Porto tem inúmeras coisas interessantes para ver (Câmara Municipal, Av. Aliados com a estátua de D. Pedro na outra ponta e ali perto está a estação de trens de S. Bento, com magníficos azulejos no interior e próximo está a Sé Catedral e subindo um pouco a Torre dos Clérigos, etc). Sugiro vão até ao rio Douro atravessem para Gaia e façam uma visita a uma das caves do Vinho do Porto.

– Interessantíssimo um passeio rio Douro acima, por comboio ou por barco, até Peso da Régua.

– Também vale a pena ir de carro até Peso da Régua e dali um salto à velha cidade de Lamego, que tem um santuário ao cimo de uma bela escadaria, a Sé, museus, etc.

  1. Braga, Guimarães, Viana do Castelo e porventura Santiago de Compostela

– Saindo do Porto para o norte (Minho), vale a pena visitar Braga e subir ao santuário ‘Bom Jesus de Braga’.

– De Braga, rumar a Guimarães (a primeira capital de Portugal), cidade antiga, com o seu centro histórico e com o seu belo castelo.

– Sugiro rumar mais para o norte, junto ao mar, onde está a bela cidade portuária de Viana do Castelo, que também tem um belo templo, subindo.

– Subindo mais um pouco para norte, chega-se a Valença, com uma bela fortaleza, de onde se avista Espanha.

– Dali, prosseguindo pela auto-estrada, entra-se na Galiza Espanhola e cerca de 70 km depois estão em Santiago de Compostela, em cuja catedral está sepultado o apóstolo S. Tiago, que merece uma visita.

 

———————————————————————————————————

Para além destas sugestões, se tiverem oportunidade e tempo, visitem também outras cidades interessantes (de norte para sul): Vila Real ,Bragança, Chaves, Viseu, Buçaco/Luso (próximo de Coimbra, numa estrada a caminho de Viseu), Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre, Estremoz, Beja, Loulé, etc.

 

JPR, 15.6.2019

 

 

ILEGALIDADE, COAÇÃO E ABUSO DE PODER

Fui hoje surpreendido com esta uma ação conjunta do Fisco e da GNR no norte do país e já não é a primeira, pois há notícia de outra idêntica em 21.519.
 
Trata-se de uma ilegalidade, violadora da lei processual, pois aos cidadãos nem é dada a possibilidade de interpôr uma reclamação da sua dívida ao fisco, ficando logo ali o seu carro penhorado· 
 
Ora, tal é suscetível de configurar os crimes de coação e abuso de poder. E não venha o Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais dizer foi um erro e que desconhecia… claro que sabia e provavelmente até o Ministro Centeno, pois não estou a ver o Diretor da Adm. Tributária a atrever-se a sózinho mandar fazer isto e o Sr. Comandante da GNR a “associar-se-lhe”.
 
E agora ninguém faz nada? O Sr. Presidente da República fica calado? Ninguém se demite nem é demitido?
 
E quanto aos grandes devedores, que continuam por aí a “passear”?… 
 
Publiquei este meu protesto na minha página do ‘face’. 
 
Mas, já agora, apetece-me entrar no ridículo e, por estas e por outras, à cautela, vou pôr o meu carrito em nome do Joe Berardo ou numa das suas Fundações e vou passar a andar de trotinete.
 
Cordialmente,
Jorge da Paz Rodrigues

Em honra de Durval Batista

Acabei de ficar mais pobre, pois acabei de saber que o meu bom amigo DURVAL BATISTA regressou à Casa do PAI.

E não sou só eu. A ilha de S. Miguel nos Açores e a sua bela cidade da Ribeira Grande também ficam mais pobres, visto que ficam sem um Homem bom, sempre prestável e solidário, um artista em artefactos, na música, etc. E até na Justiça, que ele serviu como excelente funcionário/colaborador do Mº Pº.

Já há 3 anos que não o via. Jamais o esquecerei.

Até sempre Durval! Um dia nos reencontraremos.

Sentidos pêsames à família e demais amigos.

Jorge da Paz Rodrigues

 

 

Lembrando o DIA do PAI

Querido pai João:

Muito e muito obrigado por me teres ensinado a ser homem e incitado a ir trabalhar logo aos 16 anos. A partir daí fui um homem livre, justo e digno.

Que saudades!

Estejas onde estiveres, sinto que continuas a olhar e a interceder por este teu filho. Até um dia meu muito querido e estimado Pai.

Jorge

Comentários
  • Deborah Marcondes Bom reconhecer o valor dos pais.
    Sua ausência,quando reconhecida,nos torna mais toleráveis e menos tristes.
    Eliminar ou ocultar isto
    Jorge RodriguesJorge Rodrigues respondeu

      1 Resposta

  • Judith Marcondes Armando Que lindo reconhecimento Jorge! E parabéns para você também nesse dia do pai! Beijinhos.
    Eliminar ou ocultar isto
    Jorge RodriguesJorge Rodrigues respondeu

      1 Resposta

BOAS FESTAS !

Alguém disse e bem que “Natal é sempre que um homem (ou mulher) quiser” e eu concordo.

Pena é que não seja Natal todos os dias!

Seja como for, desejo a todos os meus amigos e até aos inimigos um Bom Natal e um Feliz Ano Novo, com muita saúde, paz e coragem para enfrentar as vicissitudes.

Cordialmente,

Jorge da Paz Rodrigues